Teatro das Figuras

VIDAS COM ARTE

Quarta-feira | 21h00

28 de abril de 2021

PAULA VARANDA, MIGUEL PEREIRA e GUILLEM MONT DE PALOL

DIA INTERNACIONAL DA DANÇA

Vidas com Arte é um ciclo de palestras online com transmissão em direto nas plataformas digitais do Teatro das Figuras

O objetivo destas palestras é dar a conhecer os percursos artísticos e criativos de artistas já com créditos firmados no panorama nacional mas, também de novos artistas emergentes.

Através desta viagem às suas histórias e percursos nas artes, transformam-se estas palestras numa aula viva, certamente de grande interesse para a comunidade artística local, nacional e para o público em geral. Esta iniciativa permite uma continuidade no tempo e a possibilidade do Teatro das Figuras ter acesso a alguns artistas que de outra forma, devido à agenda dos mesmos, não seria de todo possível.

 

Paula Varanda

Paula Varanda é doutorada em estudos artísticos e humanidades pela Middlesex University de Londres e tem a licenciatura pela Escola Superior de Dança em Lisboa. Coordenou vários projetos artísticos, leccionou em diversas instituições e tem obra publicada, nomeadamente no campo da dança, da educação e da dança e novas tecnologias, de que destaca a colaboração com o Jornal Público como crítica e o livro Dançar é Crescer – Aldara Bizarro e o Projeto Respira (Caleidoscópio 2012). Desde 2019 é investigadora integrada do Instituto de História da Arte em Lisboa (IHA_FCSH/UNL).

Guillem Mont de Palol

Girona, 1978. Coreógrafo e intérprete, formou-se na SNDO (School for New Dance Development), em Amesterdão (2006). Desde então, tenho vindo a trabalhar em dança contemporânea e performance, tanto a nível nacional como internacional.

Colabora com Jorge Dutor (intérprete, cenógrafo e designer de iluminação e figurinos) desde 2008, com quem criou UUUHHH, YO FUI UN HOMBRE LOBO ADOLESCENTE INVENTANDO HORRORES (2009), Y POR QUÉ JOHN CAGE? (2011), #LOSMICRÓFONOS (2013) e o filme THISMOVIE (2013) e GRAND APPLAUSE (2016). Estes trabalhos foram apresentados em vários locais e contextos, tais como: La Casa Encendida (Madrid), Julidans Festival (Amsterdão), Festival Panorama (Rio de Janeiro), Buda Kunstenzentrum (Kortrijk), Antic Teatre Mercat de les Flors (Barcelona), Festival Escena Abierta (Burgos), AltVigo, Short Festival de Teatro (Roma), Royal Exchange Theatre (Manchester), La Alhóndiga (Bilbau), entre outros.

Trabalhou com os coreógrafos Xavier Le Roy (Retrospective, 2012), Mette Ingvartsen (Giant City, 2009; All the way out there, 2010; The Artificial Nature Project, 2012), Frederic Gies (7 thirty in tights, 2013), Vincent Dunoyer (Encore, 2007), Andrea Bozic (Nothing Can Surprise Us, 2008), entre outros.

Desde 2013, é professor convidado de Movement Research na School for New Dance Development.

 

Miguel Pereira

Estudou na Escola de Dança do Conservatório Nacional e na Escola Superior de Dança, em Lisboa. Foi bolseiro em Paris (Théâtre Contemporain de la Danse), em Nova Iorque, com uma bolsa do Ministério da Cultura, e em Amesterdão. Como intérprete trabalhou, entre outros, com Filipa Francisco, Francisco Camacho e Vera Mantero. Como criador destaca os trabalhos “Antonio Miguel”, com o qual recebeu o Prémio Revelação José Ribeiro da Fonte do Ministério da Cultura e uma menção honrosa do prémio Acarte/Maria Madalena Azeredo Perdigão (2000), “Notas Para Um Espectáculo Invisível” (2001), Data/Local (2002), “Corpo de Baile” (2005), “Karima meets Lisboa meets Miguel meets Cairo”, uma colaboração com a coreógrafa egípcia Karima Mansour (2006), “Doo” (2008), “Antonio e Miguel”, uma nova colaboração com Antonio Tagliarini (2010), “Op. 49” (2012), “WILDE” (2013) uma colaboração com a mala voadora, “Repertório para Cadeiras, Figurinos e Figurantes” (2015) para o Ballet Contemporâneo do Norte, “Peça para Negócio” e “Peça feliz” (2017), “Era um peito só cheio de promessas” (2019). O seu trabalho tem sido apresentado em toda a Europa, Brasil, Uruguai e Chile, e é professor convidado em diferentes estruturas nacionais e internacionais.