Teatro das Figuras

O OLHO ESQUERDO DE JÚLIO VERNE

Domingo | 16h30

26 de janeiro de 2020

CICLO QUEM TEM FARO PARA A ÓPERA?

Duração: 60 minutos
Classificação etária: maiores de 3 anos
Preços: €10,00; desconto 25% maiores de 65 anos; € 5,00 para menores de 30 anos; assinatura ciclo (3 espetáculos) € 25,00

Ficha artística e técnica:
Ideia Original: Mário João Alves
Texto: Mário João Alves
Encenação: Ângela Marques e Mário João Alves
Intérpretes: Gabriel Neves (cantor/ator), Miguel Reis (cantor/ator), Ângela Alves (cantor/ator), Mário João Alves (cantor/ator), João Tiago Magalhães (pianista/ator)
Conceção e coordenação: Ópera Isto
Desenho de Luz: Nuno Almeida
Direção de Cena: Ana Paula Sousa
Figurinos: Ana Nogueira
Coprodução: Ópera Isto e Casa da Música

Júlio Verne um autor prolífero e marcante. Iniciou novo na escrita de aventuras e é, para muitos, o pai da ficção científica. Em O Olho Esquerdo de Julio Verne parte-se da ideia de que a cabeça do Sr. Julio Verne vai da terra à lua num piscar de olho e percorre o fundo do mar num piscar de olho. A sua cabeça não pára de viajar e o seu olho esquerdo – é o esquerdo que lhe pisca, por ser mais dado à emoção – não pára de piscar. A juntar a isto, durante todo o tempo que mantém o telescópio colado ao olho direito observando os fenómenos naturais, mantém o esquerdo fechado.
Porém, como em tudo, também seja através dos olhos fechados que melhor vemos ou, pelo menos, entendemos grande parte das coisas do mundo. Um lado menos importante de Julio Verne foi a sua ligação ao teatro e à música. Julio Verne era um homem de teatro e escreveu canções e alguns libretos para operetas – alguns de relativo sucesso, na época. A música deste espectáculo é, na sua maioria, tirada de obras de ópera e opereta francesa, nomeadamente de alguns dos seus representantes mais célebres: Offenbach, Chabrier ou Delibes. O espectáculo integra ainda música da opereta A Cabra-Cega cujo libreto é do próprio Júlio Verne.

Coprodução: Ópera Isto / Casa da Música