Teatro das Figuras

O LEGADO DE MOZART

Sexta-feira | 21h30

10 de maio de 2019

CICLO AMADEUS

Duração: a anunciar
Classificação etária: maiores de 6 anos
Preços: € 10,00; maiores 65 anos: € 7,50; menores 30 anos: € 5,00; 20% desconto lugares mobilidade reduzida

Ficha artística e técnica
Orquestra Clássica do Sul
Maestro: Rui Pinheiro
Piano: Pedro Burmester

Programa:

Parte I
W. A. MOZART
“La Clemenza di Tito”, Kv. 621 – Abertura
Concerto para Piano nº 9, Kv. 271 “Jeunehomme”

Parte II
L. BEETHOVEN
Sinfonia n.º 8 em Fá maior, Op. 93

A extensa obra que Mozart nos deixou constitui um inestimável legado para as gerações vindouras. Enquanto a abertura da sua última ópera “La Clemenza di Tito” (composta apenas 3 meses antes da sua morte) representa o corolário de um percurso brilhante, o seu concerto nº 9 para piano é a obra de um jovem compositor de 21 anos. Este concerto (apelidado de “Jeunehomme” - confusão com a dedicatória à pianista Victoire Jenamy) é, na opinião de estudiosos, “provavelmente a primeira inequívoca obra-prima do estilo clássico” e será aqui interpretado por um dos mais aclamados músicos portugueses – o pianista Pedro Burmester.
É sabido que o jovem Beethoven tinha o sonho de poder estudar com Mozart em Viena! Apesar de envolto em algumas histórias romanceadas não é de todo ponto assente que estes dois génios que se tenham cruzado. Isto não terá impedido Beethoven de estudar meticulosamente as partituras de Mozart e de absorver as características do estilo clássico. Mas Beethoven não ficou por aí e operou uma das maiores revoluções que influenciou toda a produção musical até aos inícios do século XX! No entanto, na sua penúltima sinfonia, Beethoven “pisca o olho” ao Classicismo (23 anos após a morte de Mozart, 5 anos após a morte de Haydn) com uma das suas obras de maior frescura e jovialidade.

Coprodução: Orquestra Clássica do Sul e TMF, SM