Teatro das Figuras

MODA VESTRA

Sábado | 21h30

02 de março de 2019

JOÃO FRADE, ANA PERFEITO E SICKONCE

Duração: 75 minutos
Classificação etária: maiores de 12 anos
Preços: 5,00 €

 

Ficha artística e técnica

Direção artística e arranjos: João Frade e Sickonce

Interpretação: João Frade (acordeão), Sickonce (eletrónica), Ana Perfeito (imagem), Emanuel Marçal (acordeão) e Paulo Machado (baixo e teclados)

Foto e logótipo do projeto: Joana R. Gomes (Camille Leon)

Design: Tiago Gonçalves (Teatro das Figuras, Faro)

Conceito e coordenação geral: Rede Azul – Rede de Teatros do Algarve

Parceria estratégica e co-produção: Municípios de Loulé, Faro, Albufeira, Castro Marim, Lagoa, Lagos, Olhão, Portimão, São Brás de Alportel, Silves e Tavira, Mito Algarvio - Associação de Acordeonistas do Algarve

Parceiro da área turística: Proactivetur - Projeto TASA

Apoio: Programa 365 Algarve, Turismo de Portugal e Direção Regional de Cultura do Algarve

 

“Moda Vestra” é um coletivo de três artistas naturais do Algarve: João Frade (acordeonista), Sickonce (eletrónica) e Ana Perfeito (artista visual). Os criativos reúnem-se assim para criar um projeto audiovisual que, a partir das sonoridades musicais tradicionais da região, pretende explorar a ambiguidade entre o tradicional, o passado, o atual e as visões de futuro do Algarve, numa ótica experimental de releitura contemporânea.

A fusão de estilos e meios diferentes visualiza a entrega de uma identidade única mas em aberto. Uma entrega “vestra” com o intuito de ser completada pelo público. Deste princípio surge a origem do nome “Moda Vestra”: Moda de “atual” e de “canção tradicional”; Vestra do latim “teu/tua”.

O processo criativo será por si uma busca dessa identidade com a metodologia de “dar espaço ao outro”, de deixar a personalidade de cada artista coexistir e colocar os seus elementos na construção coletiva da história. As ferramentas para a materialização deste desafio serão o acordeão, instrumentos musicais, máquinas, samples, ambientes sonoros e visuais – imagens do que foram e são estes artistas. Quer-se cru, forte, emotivo, com margem para interpretações e dúvidas.