Teatro das Figuras

COMPANHIA NACIONAL DE BAILADO ESTREIA “PRIMEIRA VEZ” NO TEATRO DAS FIGURAS EM NOVEMBRO

COMPANHIA NACIONAL DE BAILADO ESTREIA “PRIMEIRA VEZ” NO TEATRO DAS FIGURAS EM NOVEMBRO

NO MÊS QUE INICIA COM O DIA MUNDIAL DA MÚSICA, SEM ESQUECER O PÚBLICO INFANTIL E OS AMANTES DE TEATRO, POESIA OU CIRCO CONTEMPORÂNEO

30 de outubro 2020

Em novembro, a programação do Teatro das Figuras, em Faro, integra teatro, poesia, palestras, música e a estreia absoluta de Primeira Vez pela Companhia Nacional de Bailado, no dia 14, às 21H30, com coreografias de Marco da Silva Ferreira e do antigo primeiro bailarino da CNB, Filipe Portugal, num programa em que o coletivo é um impulso para explorar a resiliência e a memória dos corpos que dançam.

Em Corpos de Baile evoca-se a imagem de corpos que se destroem e reconstroem através da dança, destacando-se a mestria do corpo, o seu potencial de plasticidade e um colectivo de resiliência associado a juventude, minoria, rebeldia e utopia, ao som das composições de Valentina Magaletti, numa coreografia sonora entre o techno minimal e o mantra. Teu Corpo Meu Eco parte da reflexão sobre ideias, músicas e movimentos inscritos num percurso que, a partir de um processo de transformação, propõe outras leituras através da coreografia, da música e dos figurinos, que povoam a carreira de Filipe Portugal.

Além do bailado, o teatro, em particular o comunitário, destaca-se fortemente na programação de novembro do Teatro das Figuras. Na sexta-feira 6 estreia Teatro de Vizinhos, um projeto em que a arte é um veículo de transformação social. Orientado por Miguel Martins Pessoa, do JAT – Janela Aberta Teatro e com consultoria de Edith Scher, diretora do projeto Matemurga, música, encenadora e uma das referências mundiais do Teatro Comunitário, Teatro de Vizinhos surge após a apresentação de vários projetos comunitários de curta duração, em que os participantes e o Município de Faro/Teatro das Figuras manifestaram um forte interesse em continuar com a prática do teatro comunitário.

Esse interesse é reforçado, no sábado 21, em Cortes de Faro, uma encomenda do Teatro das Figuras, que leva a palco o resultado conjunto da pesquisa histórico-social de Rui Catalão e grupos de participantes do concelho de Faro. As cortes gerais, que tiveram o seu apogeu entre os séculos XIII-XV, tinham uma duração aproximada de um mês, durante o qual clero, nobreza e povo se reuniam separadamente e no final apresentavam as suas petições. Na transposição para a sociedade atual verifica-se a manutenção de grupos identitários entre as comunidades e o espetáculo Cortes de Faro propõe-se trabalhar com estes grupos e deste modo, mostrar a sua visão, as suas inquietações e as suas problemáticas sobre a cidade e o território.

As propostas de teatro encerram no dia 28, com a antestreia de Atlântico, uma coprodução Copa-cabana, Teatro Nacional D. Maria II e Festival Citemor com o Teatro das Figuras, que parte de uma viagem de cruzeiro de Portugal em direção ao Brasil. O percurso entretanto convertido em rota de férias foi trânsito de corpos escravizados e de marinheiros obrigados a explorar o denominado "Novo Mundo”, lugar de fábulas e monstros, desafios e superações. O autor, Tiago Cadete, é um artista português que tem vivido entre Portugal e o Brasil e cujo trabalho se situa nas fronteiras entre as artes performativas e as artes visuais.

Novembro tem ainda espaço para dois ciclos: no dia 10, a poesia dá mote a Kilavra, um projeto de palavra dita, com sonoridades electrónicas criadas ao vivo e no dia 16, o ciclo de palestras online Vidas com Arte, convida o encenador Ricardo Pais, com transmissão em direto no canal de Youtube do Teatro das Figuras.

Informação completa sobre a programação, estão disponíveis no sítio de Internet do Teatro das Figuras.